Entendendo a conspiracao illuminati

 
Illuminati (a palavra ILUMINATI vem do plural do latim illuminatus, “aquele que é iluminado“), é o nome dado a diversos grupos, alguns históricos outros modernos, reais ou fictícios.
Mais comumente, contudo, o termo “Illuminati” tem sido empregado especificamente para referir-se aos Illuminati da Baviera, uma sociedade secreta da era do Iluminismo fundada em 1 de maio de 1776. Nos tempos modernos, também é usado para se referir a uma suposta organização conspiracional que controlaria os assuntos mundiais secretamente, normalmente como versão moderna ou como continuação dos Illuminati bávaros. O nome Illuminati é algumas vezes empregue como sinónimo de Nova Ordem Mundial, Muitos teóricos da conspiração acreditam que os Illuminati são os cérebros por trás dos acontecimentos que levarão ao estabelecimento de uma tal Nova Ordem Mundial, com os objetivos primários de unir o mundo numa única regência que se baseia em um modelo político onde todos são iguais.
Origem do termo
Dado que “Illuminati” significa literalmente “os iluminados” em latim, é natural que diversos grupos históricos, não relacionados entre si, se tenham autodenominados de Illuminati. Frequentemente, faziam isso alegando possuir textos gnósticos ou outras informações arcanas (secretas) não disponíveis ao grande público.
A designação “Illuminati” esteve em uso também desde o século XIV pelosIrmãos do Livre Espírito, e no século XV, o título foi assumido por outros entusiastas que argumentavam que a luz da iluminação provinha, não de uma fonte autorizada, mas secreta, de dentro, como resultado de um estado alterado de consciência, ou “iluminismo”, ou seja, esclarecimento espiritual e psíquico.
Desta forma, durante os períodos moderno e contemporâneo, foi designado por “Illuminati” um número de grupos (alguns dos quais têm reivindicado o título), mais ou menos marginal e secreto, e muitas vezes em conflito com autoridades religiosas ou políticas, são eles: os Irmãos do Livre Espírito, os Rosacruzes, os Alumbrados, os Illuminés, os Martinistas, o Palladium… e, principalmente os Illuminati da Baviera. Embora as doutrinas desses grupos tenham sido variadas e por vezes contraditórias, a confusão entre eles tem sido muitas vezes mantida por seus adversários, e esta confusão levou às teorias de conspiração de uma sociedade secreta atuando através da história.
Os Illuminatis da Baviera
Adam Weishaupt (1748-1830), fundador dos Illuminati da Baviera.
 Um movimento de curta duração de republicanos livre-pensadores, o ramo mais radical do Iluminismo – a cujos seguidores foi atribuído o nome de Illuminati (mas que a si mesmos chamavam de “perfectibilistas” ou “perfeccionistas”) – foi fundado a 1 de Maio de 1776 pelo professor de lei canónica e jesuíta Adam Weishaupt(falecido em 1830), e pelo barão Adolph von Knigge, na cidade de Ingolstadt, Baviera, atual Alemanha. O grupo foi fundado com o nome de Antigos e Iluminados Profetas da Baviera (Ancient and Illuminated Seers of Bavaria, AISB), mas tem sido chamado de Ordem Illuminati, a Ordem dos Illuminati e os Illuminati bávaros.
Origem dos Iluminatis da bavieira
“A história da humanidade divide-se em duas: a história oficial, que é repleta de heróis; e a história real, que é vergonhosa e digna de ódio.”

A ORIGEM DA SOCIEDADE ILLUMINATI teve inicio na noite de 30 de abril para 1º de maio de 1776, a chamada Noite de Walpurgis, um grupo de homens estava reunido em um bosque na Baviera, no sul da Alemanha, para juramentar a consecução de seu objetivo final da criação da sociedade secreta chamada Illuminati ou Iluminados da Baviera.  

Adam Weishaupt, professor de Direito Canônico na Universidade de Ingoldstadt, foi o fundador desta Ordem. Apesar da sua família ser de origem judaica, Weishaupt converteu-se ao Cristianismo e ingressou no Colégio de Jesuítas, onde logo destacou-se graças a sua fantástica memória e inteligência. Na biblioteca de seu avô, Adam tomou contato com obras de filósofos franceses e livros sobre a maçonaria, começando a se interessar por estudar sociedades secretas e organizações similares. Quando a Igreja descobriu os interesses ocultos de Weishaupt, ele foi expulso da sua instituição. Não se pode dizer que Adam tenha sentido muito esta expulsão, já que estava convencido de que o plano de Deus para a humanidade e seu desenvolvimento era débil e impraticável em um mundo dominado pelo materialismo do século 18. Assim, decidiu trocar de lado na sua crença e buscar outro tipo de iluminação espiritual, justamente a contrária daquela buscada pelo Cristianismo e o Catolicismo: o Luciferianismo.
Adam Weishaupt fundou uma organização similar à maçonaria, ou com os jesuítas, mas com uma doutrina oposta, protegida pelo ocultismo e pelo segredo absoluto entre seus membros. Os símbolos que figuravam como representantes da Ordem de Weishaupt eram uma pirâmide cortada no ápice com um olho aberto em seu interior, o chamado Olho que Tudo Vê. Seus primeiros adeptos foram 4 alunos de sua própria cátedra, que inicialmente se dedicaram à norma básica de somente aceitar a adesão de pessoas bem situadas social ou economicamente. Por isso, buscou e encontrou desde o primeiro momento o apoio econômico de um banqueiro internacional(Meyer Amschel Rothschild) que passou para a história como um dos homens mais ricos do planeta.
A estratégia de crescimento seletivo deu certo e logo apareceu o primeiro adepto de nivel social elevado, um barão protestante de Hannover chamado Adolph Franz Fridriech Ludwig Von Knigge, que havia sido iniciado na maçonaria regular e acabou por iniciar Weishaupt na Loja Maçônica de Munique. Em pouco tempo, os Illuminati passaram a liderar lojas maçônicas e abriram diversas lojas na Alemanha, Áustria, Suiça, Hungria, França e Itália. Apenas 2 anos depois da sua criação, havia somente 20 estudantes universitários, todos os demais pertenciam à nobreza, política, ou exerciam profissões liberais como Medicina e Direito.  Segundo o que se revelava aos novos membros, seus objetivos tratavam da substituição da velha ordem reinante no Mundo por uma outra nova, em que os Illuminati atuariam como comandantes supremos de todos os setores sociais, políticos e financeiros. Isso equivale a estabelecer um Governo Mundial Illuminati. Trata-se de infiltrar os iniciados na administração do Estado, sob a cobertura do segredo, com o objetivo de que chegue o dia em que embora a aparência seja a mesma as coisas sejam muito diferentes. Somente dessa maneira é possível estabelecer um governo universal, uma forma de governo que se estenda por todo o planeta, apesar de diferenças culturais ou sociais, sem que as massas se levantem contra o plano. Para alcançar tal meta, Weishaupt introduziu a Sociedade Illuminati dentro da maçonaria e tratou de angariar membros nas maiores potências mundiais, sempre seguindo o plano da Nova Ordem.

Os maçons já acreditavam em sua doutrina que o sistema global de governo único chegaria pacifica e espontaneamente, mas Weishaupt dizia que ofereceria a possibilidade de encurtar esse prazo e não ter que esperar centenas, talvez milhares de anos, até que o governo global pacífico esperado surgisse espontaneamente. Weishaupt ofereceu o plano para os maçons e em troca exigia obediência cega. Ele prometia concretizar o plano em poucos anos, talvez no curso de uma geração, embora para isso tivesse que usar de violência social e individual. O resultado foi que em 1789, Adam Weishaupt e sua sociedade secreta controlava através de intermediários a maior parte das lojas maçônicas no Mundo, desde o norte da África até a Suécia, da Espanha e Irlanda até a Rússia, e também as novas lojas maçônicas nos Estados Unidos da América. A partir de então, o cenário mundial passou  a ser definitivamente influenciado e, até mesmo, determinado pelas decisões secretas de membros da Sociedade Maçônica Illuminati.

Desde o primeiro momento, a família Rothschild amparou e financiou o plano dos Iluminados da Baviera, a ponto de Meyer Rothschild reuni-los em sua própria casa de Frankfurt, em 1786. O objetivo principal desta reunião seria os preparativos para a Revolução Francesa, que teve lugar alguns anos depois e que colocaria os Illuminati e a maçonaria no poder político na Europa. Ali, naquela reunião, foi acertado, entre outras coisas, todo o processo de agitação pré-revolucionária, o julgamento e a execução do Rei francês Luis XVI e a criação da Guarda Nacional Republicana para proteger o novo regime, conceitualmente maçônico. Seguindo o projeto Illuminati, também se traçou um plano para estender o processo revolucionário ao resto do continente europeu e provocar um verdadeiro cataclisma político e social, seguindo o dito maçônico “Ordo Ab Chaos” (Ordem  Vinda do Caos) beneficiando os interesses da sociedade illuminati e maçonaria. Cria-se o caos através de violência urbana, pestes e guerras, até que a sociedade cansada e sofrida exija que alguém tome os seus direitos civis para impor uma ordem, uma solução ao caos gerado. Nesse momento, é que os Illuminati , os mesmos criadores do caos, aparecem para apresentar à nação a sua Ordem.

Dois anos antes de morrer, em 1812, Meyer Rothschild, o primeiro dos Rothschild, já havia planejado o futuro do seu negócio junto aos Illuminati e seus descendentes, colocando seus 5 filhos varões como acionistas de seus bancos que passariam a constituir a empresa Meyer Amschel Rothschild & Filhos. Assim, foi estabelecida a primeira rede financeira européia de grande alcance, porque cada irmão instalou-se em uma cidade diferente e abriu o seu próprio estabelecimento, que representava uma quinta parte da propriedade geral. Os irmãos haviam se comprometido a prosseguir fielmente o trabalho do pai, incondicionalmente. Seu enriquecimento econômico aumentou absurdamente à medida que cresceu a sua influência nos distintos governos europeus desde então. O resultado deste processo foi que, a partir de então, a Casa Rothschild converteu-se em sinônimo de riqueza inestimável e poder sem fronteiras.

Iniciaram as guerras Napoleônicas e os Rotshchild apoiaram igualmente Napoleão e a Inglaterra, controlando os dois lados da moeda. Mas a jogada de mestre teve lugar no início da Batalha de Waterloo. Meyer foi testemunha privilegiada da batalha e quando percebeu que Marte, o deus da guerra, sorria para os britânicos, saiu dali a galope. Incansável, chegou à costa francesa, onde pagou para cruzar com urgência o canal da mancha e, uma vez do outro lado, voltou a galopar até chegar a Londres. Ali, correu para a Bolsa de Valores de Londres e, agitado, começou a vender ações londrinas a qualquer preço, até que se desfez de todas elas. Os demais agentes da Bolsa de Valores conheciam o potencial informativo da Casa Rothschild e sua rede bancária no século 19, e por isso deduziram que tal atitude só poderia significar uma coisa: a derrota da Inglaterra para o exército de Napoleão. O pânico apoderou-se da Bolsa, que caiu a índices jamais vistos. Em meio ao caos, somente um pequeno grupo de agentes anônimos dedicava-se a comprar todas as ações que estavam sendo vendidas, que queimavam nas mãos dos vendedores a preços miseráveis. Pouco tempo depois, quando chegou de fato a notícia verídica de que a França e Napoleão haviam sido derrotados pela Inglaterra, a Bolsa disparou e as ações londrinas recuperaram-se rapidamente. Entretanto, havia agora uma diferença: as mais importantes ações estavam nas mãos de um banqueiro apenas que as havia comprado através dos agentes anônimos. Esse banqueiro era o próprio Rothschild, que tornou-se, assim, dono da economia da Inglaterra e da maioria da Europa. Desde então, a europa encontra-se nas mãos dos banqueiros internacionais, todos Illuminati, interessados em levar adiante o plano de seus antecessores.Estabeleceram, então, um novo desafio: o domínio do mercado da América.

Atualmente, o que se percebe, é que as linhagens familiares dos illuminati são o sangue dos descendentes do imperadores babilonicos, cujos descendentes foram faraós Egípcios, mais tarde líderes da Grécia antiga, que deram origem a imperadores romanos, dos quais nomes como: Alexandre o Grande, Napoleão, Hitler são descendentes. Hoje, essas linhagens dividem-se em 300 famílias, onde o topo dos Illuminati é composto por 13 delas. Os Illuminati organizam-se em pirâmide de 13 famílias Reais, originalmente estas 13 famílias dividiam o poder, mas hoje uma lidera as 13, por ser a família que controla o sistema bancario global e que detém uma fortuna pessoal no valor igual a metade do dinheiro do mundo, e que por deter controle sobre todos os bancos, detém poder sobre as 13 famílias:
1 – Rothschild
2 – Astor, Bundy, Collins, DuPont, Freeman, Kennedy, Li, Onassis, Rockefeller, Russel, Van Duyn, Merovingan.
Depois destas 13 famílias aparecem duas no topo das 287 seguintes, pois hoje em dia existem 300 famílias:
3 – Reynolds e Disney
O controle é feito através de empresas e fundações pertencentes a este grupo, nos mais diversos campos, com o apoio de 5 países chamados de primários. Por fim na base de tudo encontram-se os grande grupos e empresas internacionais que suportam a agenda Illuminati e a nova ordem mundial.
Este artigo ou secção possui passagens que não respeitam o princípio da imparcialidade.
Tenha algum cuidado ao ler as informações contidas nele. Se puder, tente tornar o artigo mais imparcial.
(Justifique o uso desta marca na discussão do artigo)
 
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes, inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, nos locais indicados.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirus. Veja como referenciar e citar as fontes.

 fonte:WIKIPEDIA

Anúncios